Bombos | Grupo Convivio e Amizade nas Donas

O Grupo de Bombos é a principal atividade cultural e musical do GCA Donas existe praticamente desde da fundação da coletividade, apesar de ser uma secção da Associação, assumiu a designação de Grupo de Bombos das Donas, nome pelo qual é hoje conhecido pelo nosso País. O grupo é constituído por 6 a 8 bombos, duas caixas, um pífaro ou gaita-de-foles que, em uníssono, formam o coro ao qual é possível associar várias vozes, que não carece de quantificação por ser de número variável e que não interfere forçosamente na qualidade e na sua riqueza etnomusicológica. Expoente cultural de máximo valor do povo que, de geração em geração, o soube transmitir desde os tempos mais remotos, o som peculiar concorre para a solenização dos tempos fortes da vida coletiva e constitui para a aldeia um motivo particular de máximo orgulho.

O Grupo de Bombos tem realizado atuações um pouco por todo o País, destacando-se a oportunidade que tivemos de cantar as Janeiras ao Exm Senhor Primeiro-Ministro António Guterres.
Constituído por diversos jovens da freguesia, os mesmos poderão ser contatados para atuações em festas, romarias ou desfiles.

Os Instrumentos:
De fabrico artesanal e local, os materiais usados são a pele de cabra, a madeira de castanho e de silva, o zinco e a corda. A caixa, de dimensão mais pequena que os bombos, segue o mesmo procedimento de fabrico. A sua afinação é reservada aos conhecedores da arte! Associados à região mediterrânea e particularmente às pastoris, veiculam um substrato musical ancestral da qual não há memória da sua origem e verifica-se que, nem pela sua textura nem pela sua configuração se possam assemelhar com os zabumbas, zés-pereiras ou tambores militares. A música, no âmbito da cultura popular, ocupa um lugar importante. Sem dúvida, revela-se, de uma forma singular, guardiã da herança do passado e faz reviver a tradição associada às atividades agrícolas e aos festejos coletivos da aldeia de outros tempos. Outrora, revestia-se de uma honra tocar o bombo uma vez que os tocadores eram rigorosamente selecionados e a guarda dos instrumentos era confiada ao melhor tocador.